20 de out de 2010

Até Que Meu Conjugue Chegue...

Inegavelmente é a vontade do Senhor que todos os Seus filhos, sem exceção, cheguem ao amadurecimento espiritual, à medida da estatura da plenitude de Cristo (Efésios 4:13). Obviamente, isto deve incluir o meu e o seu cônjuge também.
Claro que todas as circunstâncias à nossa volta serão utilizadas pelo Senhor Jesus para o propósito firme que Ele tem de conquistar mais e mais nossa alma. É assim, por exemplo, que aquele colega de trabalho com o qual não temos muita afinidade se apresenta para nós como uma grande oportunidade de exercitarmos a paciência. Noutro lado, no viver normal da igreja, temos esse ou aquele irmão que, invariavelmente, sempre nos leva à ira, ocasião maravilhosa para invocarmos o nome do Senhor Jesus, ser salvos e experiênciar Seu grande amor.
Cada situação em nosso viver diário (trabalho, vida de reuniões da igreja etc.) tem cooperado em muito para nosso crescimento, para que “treinados” aqui, sejamos
aperfeiçoados e passemos a expressar mais a vida de Deus. Cada ambiente desses é como um “centro de treinamento” para que atinjamos o padrão do reino dos céus.
Nosso casamento, como é de esperar, não deixa de ser mais um centro de treinamento como os acima referidos, mas tem uma grande diferença: nossa responsabilidade em cooperar para que nosso cônjuge atinja o padrão do reino. Claro que há essa responsabilidade sobre nossos ombros para com todos os irmãos, mas, enquanto para com estes a responsabilidade é “espiritual”, parece-nos que, para com nosso cônjuge, a responsabilidade é “oficial”.
Imagino-me chegando diante do Senhor em Seu trono (2 Coríntios 5:10), e ali tendo de apresentar minha esposa. Quando vejo esse quadro, só consigo orar: “Senhor Jesus, ajuda-me a cooperar com ela, para que eu a apresente segundo Suas expectativas”. Note-se que, quando digo que é nossa responsabilidade cooperar com o aperfeiçoamento de nosso cônjuge, não estou querendo dizer que estejamos na posição de um “instrutor do reino” a dar ordens e regras de comportamento para que ele ou ela sigam à risca. Não! O que quero dizer é que temos de cooperar com nosso modelo e com nosso suprimento. Isso mesmo, nossos cônjuges são, em verdade, o resultado de nosso desfrute de Cristo com eles. E, bom que se diga, eles seguirão Cristo na exata medida em que nós mesmos, primeiramente, O seguirmos.
Se nos mantivermos assim, vivendo Cristo com nosso cônjuge para expressa-Lo, e pudermos por alguma forma supri-lo com a vida de Deus (por meio da oração conjunta, leitura da Bíblia, Alimento Diário etc.), então estaremos cooperando para que também nosso cônjuge chegue à medida da estatura da plenitude de Cristo. 

Desfrute do Dia