28 de dez de 2012

O Que Devo Fazer Para Ter Uma Vida Mais Longa?


Tem pessoas que vivem facilmente através de oito ou nove décadas, não parecendo estar um ano mais velhas conforme o tempo passa.
Embora envelhecer bem seja parcialmente controlado por bons genes, não é tão difícil levar um estilo de vida para viver mais tempo, em boas condições.
Segundo especialistas em envelhecimento, e de acordo com as últimas descobertas sobre o assunto, as pessoas podem melhorar a maneira como envelhecem – mesmo que já pareça tarde demais.

O que nos faz envelhecer

Sem contar a aparência enrugada (causada pelo sol), nós não vivemos para sempre por um monte de fatores.
O problema está em nossas células, onde o envelhecimento começa. A maioria dos processos celulares que levam o corpo a deteriorar gradualmente com a idade são afetados pela dieta, estilo de vida, exercício físico, estresse e outras influências externas.
Por exemplo, os alimentos que comemos influenciam a produção de radicais livres no nosso metabolismo. Radicais livres são elétrons desemparelhados instáveis que causam enormes danos conforme “andam” dentro das células. A pesquisa sobre os males dos radicais livres ainda não é definitiva (chamada de estresse oxidativo), mas eles são amplamente considerados um dos fatores que fazem as células envelhecerem ou mal funcionarem.
Os telômeros também tem um papel crucial no envelhecimento. Eles são as “pontas” das fitas de DNA que protegem o material genético de uma célula quando ela se divide. Eles ficam um pouco mais curtos a cada divisão. Uma vez que encurtam demais, a célula já não pode funcionar normalmente. Pessoas mais velhas têm telômeros mais curtos, assim como pessoas estressadas ou com maus hábitos de sono.
Conclusão: seu estilo de vida pode afetar os processos microscópicos que acontecem dentro das suas células.
Quer dizer então que não há mais solução? Se você sempre comeu mal, dormiu mal, não se exercitou, está ferrado? Não.
Segundo os cientistas, mesmo pequenos passos no quesito “comportamento saudável” podem retardar esses processos, de modo que você envelhece mais lentamente.

Mas você tem que manter esses pequenos passos. Não precisa começar uma nova dieta e não comer mais nada gorduroso para sempre, por exemplo. Mas você precisa ter atitudes que, mesmo pequenas, sejam constantes.
Sabendo que mesmo um pequeno esforço pode ter um grande impacto, confira seis dicas simples para melhorar suas chances de envelhecer de forma saudável:

Saiba como cozinhar seus alimentos

Alimentos cozinhados com calor elevado desenvolvem compostos tóxicos chamados produtos de glicação avançada, ou AGEs, que aceleram o envelhecimento. AGEs geram grandes números de radicais livres que se acumulam no sangue e nos tecidos, ativando o sistema imunológico e causando inflamação crônica. Consequentemente, contribuem para o endurecimento das artérias, das articulações, para formação rugas e muito mais.
AGEs são encontrados em grandes quantidades em alimentos processados, como queijo americano, fast food e refrigerantes escuros. Escolha alimentos alternativos, como queijo branco, frutas secas, suco de frutas. Além disso, cozinhe seus alimentos em temperaturas mais baixas: um ovo frito tem 10 vezes mais AGEs do que um ovo mexido, por exemplo. Um bife tem 10 vezes mais AGEs do que um guisado de carne, e assim por diante.

Coma menos

Estudos têm mostrado que roedores prolongam dramaticamente a expectativa de vida ao cortar o consumo de alimentos em cerca de 30%. Grandes pesquisas com macacos não mostraram um aumento na longevidade, mas alguns apontaram que a adoção de uma dieta de baixa caloria melhora a saúde de primatas mais velhos.
Se você não consegue comer menos do que já come, muitos benefícios podem ser alcançados por simplesmente limitar a ingestão de alimentos de forma intermitente – por várias horas em um dia, talvez. Especialistas em envelhecimento descobriram que curtos períodos com pouca ou nenhuma comida parecem iniciar mecanismos de proteção dentro das nossas células que “têm o potencial de reduzir o risco de doenças relacionadas à idade”, conforme explica Mark Mattson, pesquisador do Instituto Nacional do Envelhecimento (EUA) e especialista em jejum. O principal benefício do jejum parece ser para o cérebro, ou seja, para a saúde mental.
Os cientistas ainda não chegaram a um acordo quanto ao melhor roteiro de jejum para as pessoas, no entanto. Estudos têm utilizado uma variedade de métodos, como limitar a ingestão a 600 calorias por dia, duas vezes por semana. Outros estudos sugerem pular uma refeição de vez em quando, ou restringir as horas para comer. De qualquer maneira,jejum parece ser bom para a saúde. Verifique com um médico, porém, antes de tentar ficar sem comer.

Caminhe

Não é preciso se exercitar intensamente por horas por dia para melhorar dramaticamente a saúde. Mesmo exercício moderado ajuda a neutralizar os radicais livres, estimular o sistema imunológico e até mesmo crescer novas células.
Um estudo publicado no jornal online PLoS Medicine analisou dados de 650.000 adultos (incluindo alguns obesos) e descobriu que caminhar apenas 15 minutos por dia estava associado a um aumento de dois anos na expectativa de vida. Em indivíduos com peso ideal, os dados mostram que caminhar 30 minutos por dia cinco dias por semana estava associado com um aumento na expectativa de vida de mais de sete anos.
“Quando as pessoas falam em atividade física, pensam em correr ou fazer atividade intensa”, disse Luigi Ferrucci, diretor científico do Instituto Nacional de Envelhecimento. “Mas você ganha muito por levantar a bunda do sofá apenas para andar 10 minutos por dia. É uma diferença enorme”.

Durma bem

Embora os cientistas ainda não entendam o que acontece no nosso corpo quando estamos dormindo, estudo atrás de estudo mostra quão prejudicial é não dormir o suficiente. “As pessoas que dormem menos de seis horas por noite têm maior risco de doenças cardiovasculares, mais chances de desenvolver diabetes e mais chances de morrer mais cedo“, explicou Aric Prather, psicólogo e pesquisador da Universidade da Califórnia em San Francisco (EUA).
O quadro é muito diferente para as pessoas que dormem sete horas por dia ou mais: elas têm sistemas imunológicos melhores, menos estresse e menor peso corporal, entre outros benefícios. Por exemplo, um estudo com gêmeos publicado na revista Sleep descobriu que um irmão gêmeo que dormia menos de sete horas por noite era mais propenso a ter um IMC (índice de massa corporal) maior que seu irmão ou irmã que dormia mais (e como os participantes do estudo são gêmeos, isso não podia ter a ver com genes ou ambiente). Os estudos sobre sono têm consistentemente mostrado que, para a maioria das pessoas, dormir sete a oito horas por dia faz uma grande diferença para a saúde.

Se estresse menos

Estresse envelhece. Telômeros mais curtos são uma das razões para tanto. Cientistas descobriram que a forma como as pessoas lidam com o estresse é fundamental. As pessoas que lidam com o estresse bem fazem mais coisas que os estressados não fazem: comem bem, dormem o suficiente e, sobretudo, se exercitam. E essas pessoas tendem a ter telômeros mais longos do que as pessoas estressadas que não fazem nada disso.
É claro, o estresse pode fazer você se sentir menos motivado para cuidar da saúde. Mas você pode experimentar técnicas para desestressar, como praticar meditação, que tem sido associada a uma maior atividade de uma enzima que controla e protege o comprimento dos telômeros.
Um estudo de ressonância magnética mostrou que, após um programa de meditação de oito semanas, a densidade de massa cinzenta dos participantes tinha aumentado em regiões do cérebro que controlam, entre outras coisas, a regulação da emoção e perspectiva. Essas novas ligações no cérebro tornam a área mais potente e eficaz. É semelhante ao fortalecimento e crescimento de um músculo, só que, neste caso, é um músculo para o controle do estresse.
Neuropsicólogos dizem que, mesmo sentado em sua mesa, você pode afastar o estresse, ao respirar longa e profundamente regularmente, e ao imaginar-se na natureza, prestando atenção em cheiros e sensações.

Tenha um hobbie

Pesquisadores já estudaram a ligação entre uma melhor saúde e a participação de uma pessoa em um hobbie ou atividade. Um estudo realizado no Japão com quase 2.000 pessoas de idades entre 65 a 84 anos descobriu que, em comparação com pessoas que não têm passatempos, aqueles que tinham um hobbie tinham uma mortalidade significativamente menor e uma menor probabilidade de ficar doente durante o período do estudo.
Em um estudo de 2010 na Sérvia, cientistas descobriram que ter um hobby estava ligado a um menor risco de hipertensão em médicas de salas de emergência, talvez porque isso as ajudava a liberar a tensão e, portanto, a evitar comportamentos nocivos, como fumar e beber. Outros estudos têm relacionado passatempos com manter o cérebro ativo e com mais conexões sociais, o que tende a tornar as pessoas mais felizes – outro fator ligado a uma maior saúde e longevidade.

Desfrute do Dia