9 de ago de 2013

Uma Infeliz Degradação em Plena Volta de Cristo

Este é um texto que o Daniel Solano de Oliveira escreveu acerca das heresias que têm contaminado a Igreja nos nossos dias. Esforçou-se para julgar tudo pela luz das Escrituras. Esperamos que abençoe e edifique.

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” Gl 1:8-9
I. O alerta bíblico

Como cristãos sinceros, nosso alvo é conhecer cada vez mais profundamente a Cristo, viver uma vida que agrade ao nosso Senhor e desfrutar da Sua presença, e para isso, buscamos conhecimento nas Escrituras, com a experiência de outros irmãos e com o próprio Deus.

Entretanto, a Bíblia diversas vezes nos adverte de que podem existir ensinamentos e doutrinas errados em nosso meio (Mt 7:15, Mt 24:11,24, II Co 11:13-15, I Jo 4:1). Também nos avisa de mestres e profetas que ensinariam mentiras ao povo de Deus. Por quê? Primeiramente devemos nos lembrar que o Diabo é o Pai da mentira e desde o Éden tem enganado o homem, tentando destruí-lo. O Diabo também sempre tentou destruir a Igreja de diversas formas e uma delas é através do engano, utilizando-se da inocência e ignorância de alguns e da malícia de outros. A falta do conhecimento leva o homem à destruição (Os 4:6), mas o conhecimento da verdade o liberta (Jo 8:32).

Além disso, a Bíblia diz que estes falsos mestres sempre têm um público ávido por ouví-los. A mensagem da cruz é dura e muitos discípulos abandonaram a Jesus quando ele ensinava (Jo 6:60,66). Essas pessoas não querem saber da cruz, nem abandonar seus pecados e obedecerem a Jesus, mas apenas ouvir mensagens que as façam se sentir melhor. (II Tm 4:3-4, I Tm 4:1-2)

Não devemos nos considerar imunes ao erro. Muitos homens de Deus – Pedro e Barnabé, por exemplo (Gl 2:11-14) - já erraram em falsas doutrinas. Como A. W. Tozer escreveu certa vez: “...o perigo hoje é maior para o cristão fervoroso do que para os mornos e satisfeitos consigo mesmos... Ele aspira por uma nova experiência, uma visão elevada da verdade... e, por essa razão, está pronto a dar atenção a tudo o que é novo e maravilhoso em matéria de religião, especialmente se for apresentado por alguém com uma personalidade atraente e fama de superior piedade.”

Primeiramente, devemos nos lembrar de que a Bíblia é um livro inspirado por Deus, a fonte de revelação divina e nossa única regra de fé e prática. Logo, é sob a luz dessa Palavra revelada, que vamos estudar algumas das heresias que têm contaminado a Igreja do Senhor no Brasil e no mundo, distanciando o cristão do verdadeiro evangelho. (Ef 4:14)

II. Doutrinas estranhas à Palavra de Deus e heresias modernas.

1 – Retorno ao Judaísmo

Existem pessoas que têm ensinado que a Igreja Cristã deve voltar a praticar alguns mandamentos da Lei de Moisés, como por exemplo: as festas (Páscoa, Festa dos Tabernáculos, etc.) e as regras alimentares, pelo simbolismo que elas contêm. Além disso, têm reconstruído objetos do Tabernáculo como a Arca. Algumas igrejas evangélicas chegaram ao absurdo de praticarem sacrifício de animais!

O que a Bíblia diz a respeito? Para começar, existe todo um livro que foi escrito só por este motivo: Gálatas. Paulo o escreveu para repreender aqueles que estavam pregando a judaização. (Gl 5:4-6) O livro de Hebreus também nos ensina que o povo judeu vivia em uma velha aliança (a Lei) e nós, cristãos, vivemos sob uma nova aliança (a graça). A nova aliança tornou a velha aliança antiquada (Hb 8:13). A velha aliança era para os judeus antes de Cristo, a nova é para os cristãos. Este é o tema de Hebreus: A transição entre as duas maiores alianças entre Deus e a humanidade.

2 – Teologia da Prosperidade

A Teologia da prosperidade começou nos Estados Unidos no século passado e foi disseminada mundialmente por pregadores de renome. Seu principal lema é: o cristão é como um deus nesta terra, por isso deve reinar e governar o mundo, vivendo de forma abastada, com fartura, abundância de bens e poder, pois esta é a vontade de Deus. O objetivo é dominar. Se um cristão é pobre, é porque está em pecado, se é rico, é porque está servindo a Deus corretamente.

Há diversos erros aqui:

Primeiro: Os pregadores desta doutrina geralmente se utilizam de textos do antigo testamento e raramente usam o novo. Isso porque a antiga aliança tinha em vista o mundo terreno e era uma garantia de bênçãos materiais, e a nova aliança aponta para a eternidade e nos traz bênçãos espirituais, como a salvação e a regeneração. Isso pode ser visto em todos os livros da Bíblia.

Segundo: A Bíblia não garante riqueza ou fartura para o cristão, mas garante que Deus suprirá suas necessidades. Fp 4:19

Terceiro: A Bíblia ensina que o cristão não deve buscar enriquecer-se. Pv 23:4-5, Ec 5:10, Mt 6:19,24, Lc 12:15, Rm 12:16, I Tm 6:8-11, Tg 4:3

Quarto: A Bíblia ensina que o cristão passa por muitas tribulações (inclusive financeiras) e estas o ajudam a crescer. Fp 4:11-13, At 14:22, II Co 6:4, 12:10

Quinto: O nosso foco não é esta vida, mas a eternidade I Co 15:19, Cl 3:1-4, I Pe 2:11, I Tm 6:17-19
Sexto: A Bíblia já nos adverte deste tipo de ministro. II Pe 2:1-3
Sétimo: O mais importante é desprezado: a glória de Deus! I Co 10:31

3 – Cristianismo humanista

O humanismo é a celebração do ser humano, é uma filosofia em que tudo gira em torno do homem e para o homem. O cristianismo humanista adapta o evangelho a esta concepção, ou seja, todas as coisas existem para a realização do homem. A vida humana se torna uma busca incessante por prazer e satisfação. Hedonismo. O homem se torna o senhor, e Deus se torna o servo. Deus é destronado! A própria Teologia da Prosperidade tem sua raiz no humanismo. A igreja é o local onde o crente vai obter sua benção e só. Não há arrependimento, dor pelo pecado, mudança de vida, obediência a Deus, santidade, renúncia ou cruz. Deus é apresentado apenas como o Grande Doador das bênçãos, que a todos quer bem. Está mais para Papai Noel do que para Rei dos reis e Senhor dos senhores. I Tm 6:15

Geralmente esta doutrina é muito sutil e não mostra sua verdadeira face, tal como a serpente no Éden. Além do mais é muito atrativa, costuma atrair multidões à Igreja, pois toca no orgulho humano, no egocentrismo, que é o cerne da natureza decaída do velho homem e a raiz de todo o pecado, o principal inimigo da cruz de Cristo. Inclusive, o orgulho foi o primeiro pecado e surgiu no coração de Satanás. Apesar de tão amplamente aceito, o humanismo é diabolicamente contrário às Escrituras. Vejamos o que a Bíblia ensina:

Deus criou todo o universo para Si mesmo. (Rm 11:36, Cl 1:16) Criou os cristãos para sua própria glória. (Is 43:7, Ef 1:12) O cristão não deve viver mais para si mesmo mas para Deus. (II Co 5:15) O cristão não pertence mais a si mesmo, pois foi comprado por Cristo para Deus e para glorificá-lo. (I Co 6:19-20) O cristão vive para o inteiro agrado de Deus (Rm 14:7-9, I Co 10:31, Cl 1:10) e Cristo é o centro de todas coisas (Ef 1:10).

Repetindo as palavras do missionário Paris Heidhead: “O humanismo diz: o objetivo de todas as coisas é a felicidade do homem. O cristianismo diz: o objetivo de todas as coisas é a glória de Deus.” A felicidade do homem é conseqüência de uma vida obediente a Deus.

4 – Outros evangelhos... 

Em alguns lugares, ensina-se que o nosso mundo está passando por profundas mudanças, e devemos nos adaptar a isso. Afirma-se que o evangelismo tradicional não dá mais frutos, e entregar folhetos é uma coisa ultrapassada. Devemos pregar mensagens alegres e motivadoras, que animem o ouvinte. O evangelho se torna uma estratégia de marketing, por isso é deixado de lado o pecado, a justiça e o juízo, pois eles incomodam. Por mais absurdo que pareça, uma das maiores igrejas norte-americanas atualmente, não fala sobre pecado: “...isso pode magoar as pessoas e queremos que elas se sintam bem consigo mesmas” disse o pastor dessa igreja em uma entrevista na TV. É o evangelho moderno.

Outros atenuam as duras exigências do evangelho (Mt 16:24-25) para se conseguir um número maior de “fiéis”. “Jesus te ama do jeito que você é, você não precisa abandonar nada para ser salvo, pois Deus não faz acepção de pessoas” é o que pregam, não existe mudança de vida ou regeneração. E desse tipo de pregação veio a igreja evangélica homossexual e coisas do tipo. Não existe antítese entre o mundo e a Igreja, é a Igreja copiando as coisas do mundo. É o evangelho mundano.

Outros se utilizam de técnicas humanistas da psicologia, sociologia, comunicação, publicidade e administração para “vender” Jesus! Vêem a Igreja como um negócio ou uma grande empresa. E há ainda aqueles que tentam atrair as multidões com shows, cantores, personalidades e estrelas “gospels”. Usam as celebridades para atrair pessoas. É o evangelho do entretenimento. “Venha para se divertir!”

Como vimos anteriormente, tudo isso já estava previsto nas Escrituras Sagradas. Falsos evangelhos produzindo falsos convertidos (Mt 7:21). São doutrinas baseadas em meias verdades e sofismas. Embora exista uma maldição para aqueles que distorcem, retiram ou fazem acréscimos ao evangelho (Ap 22:18-19), eles continuam adulterando a Palavra. A verdade é que o homem não quer negar a si mesmo para seguir a Jesus, por isso tentam adaptar o evangelho à sua vontade. O mundo passa por constantes mudanças, mas o nosso Deus é imutável (Ml 3:6, Tg 1:17, Hb 13:8) e Ele não revogou suas palavras nem diminuiu suas exigências. (Hb 12:14, I Pe 1:15-16) Todo o mundo pode passar e mudar, mas suas palavras jamais passarão Lc 16:17, I Pe 1:23-25. Aquele que quer seguir a Jesus deve estar disposto a abandonar tudo por amor a Ele (Mt 10:37-38). O mundo não é compatível com a vida cristã, e aquele que ama o mundo se torna inimigo de Deus (I Jo 2:15-16, Tg 4:4).

Jesus também não precisa de marketing para se promover. Ele é o Pão da vida, a Fonte de águas vivas, a Luz que ilumina todo o homem, e Ele mesmo atrai os homens a Si. (Jo 1:9, 4:14, 6:35,48, 12:32). Ele também não divide sua glória com ninguém. Is 42:8

5 – Auto-ajuda no lugar da Palavra de Deus

A ciência tem se multiplicado, e o homem confiante em seu conhecimento tem dado as costas à Palavra de Deus. Mensagens de auto-ajuda têm substituído a Bíblia nos púlpitos. As pregações têm se tornado palestras motivacionais, e a psicologia tem instruído nossas famílias no lugar das Escrituras sagradas. E depois nos perguntamos: Por que não há mudança de vida? Por que nos sentimos vazios? Por que não há mais poder? Onde está a Presença de Deus? Isso acontece quando trocamos o Deus vivo pelo bezerro de ouro, obra de mãos humanas.

A Bíblia é nossa única regra de fé e prática. Essa foi uma das bases da Reforma Protestante, e por esta verdade, muitos homens de Deus deram suas vidas. A Bíblia sozinha, é SUFICIENTE para conduzir o homem à salvação, ensiná-lo, edificá-lo e aperfeiçoá-lo para toda a obra de Deus. II Tm 3:15-17, Sl 119:105

6 – Objetos de Fé

Há ainda as fitas, lenços, flores, trigos, óleos, azeites, águas, fotos, mantos, terra, sal, pedras e todo o tipo de objetos, ungidos ou “consagrados a Deus”, com poderes especiais. São os objetos de fé. A justificativa é que eles ajudam a pessoa que tem pouca fé a crer.

Isso é explicável quando vemos que o povo de Israel durante toda a sua caminhada com Deus, sempre buscou objetos para adorar, ou que simbolizavam Deus. Queriam algo que fosse visível, e sempre foram castigados por isso (Ex 32:35). O importante não é apenas ter fé, mas sim, fé na Pessoa certa, e estes objetos desviam nossa fé de Deus e a direcionam para o objeto. Adoramos um Deus invisível (I Tm 1:17), e a fé é a certeza de coisas invisíveis (Hb 11:1). Se, porém, nossa fé é pequena, devemos buscar auxílio nas Escrituras, porque a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. (Rm 10:17)

7 – Ecumenismo

O ecumenismo é a busca pela unidade das igrejas cristãs, mais precisamente da Igreja Católica Romana, Igreja Católica Ortodoxa e Igreja Protestante. Ele prega o amor, a fraternidade, a união e a superação das diferenças entre estas igrejas, pois “servimos ao mesmo Deus”. O seu lema é que todos sejam um, como disse Jesus (Jo 17:21). O movimento ecumênico começou no séc. XIX e foi incorporado oficialmente pela Igreja Católica Romana em 1960 pelo Papa João XXIII, e posteriormente por diversas igrejas evangélicas. Os maiores organismos do ecumenismo hoje são: o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), no Brasil, e o Conselho Mundial de Igrejas, no mundo. A unidade das igrejas leva conseqüentemente a uma única autoridade eclesiástica, e neste caso seria o Papa, já que a Igreja católica é a maior promovedora do ecumenismo. Segundo a doutrina católica, o Papa possui uma autoridade maior que a Bíblia, pois pode ditar a interpretação desta (historicamente falando), é portador da inerrância papal, e é o supremo pastor. A Tradição também tem a mesma autoridade que a Bíblia.

O amor e a unidade são palavras agradáveis ao ouvido cristão, e têm aparência do bem, mas ainda falta o mais importante: O que a Bíblia diz a respeito? A Igreja não pode ter dois cabeças, ou é Cristo ou o Papa (Ef 1:22). Além disso, Jesus é o único mediador entre Deus e os homens (I Tm 2:5). Isso sem contar o culto à Maria e aos santos. Não podemos seguir a Deus e ao mesmo tempo negarmos as Escrituras, por isso não é possível haver unidade, enquanto a Igreja Católica continuar nestes pecados, senão seríamos culpados de cumplicidade de acordo com a Bíblia. (II Co 6:14-17, Am 3:3, Ef 5:11) Ou amamos as Escrituras e por meio dela estabelecemos uma comunhão correta com Deus, ou a negligenciamos.

III. Como permanecer na sã doutrina

Essas são apenas algumas das muitas doutrinas que divergem das Escrituras, mas infelizmente se encontram no “meio evangélico”. E mais doutrinas têm surgido a cada dia. Como então, podemos nos guardar de tudo isso:

1 – Conhecendo a Bíblia. – Devemos conhecer a Bíblia para não sermos levados por ventos de doutrina, e ainda convencer os contradizentes. Deus nunca contradiz sua Palavra. Ef 4:14, Tt 1:9, Jr 1:12

2 – Conhecendo a Deus através de uma comunhão íntima. – Uma comunhão real com Deus nos guarda do caminho errado, pois somos ensinados pelo próprio Deus e pelo Espírito Santo. Jo 6:45, 14:26, I Jo 2:27

3 – Julgando todas as coisas. – A Bíblia ensina que devemos julgar toda doutrina antes de aceitá-la. I Ts 5:21, At 17:10-11

4 – Reconhecendo Cristo e sua glória como o centro de todo o universo. – Qualquer evangelho que não tem isto como foco, está errado. Cl 1:16-19

5 – Reconhecendo o propósito do homem. – A principal finalidade do homem é glorificar a Deus e gozar de comunhão com Ele para sempre. Cl 1:10

6 – Mantendo os olhos na eternidade. – A maioria das heresias prega a supervalorização daquilo que é material e terreno. A Bíblia ensina que não somos desse mundo e devemos pôr nossos olhos e corações no céu e na eternidade. Jo 18:36, Cl 3:1-4, Mt 6:20-21


Daniel Solano de Oliveira

Desfrute do Dia